07 janeiro 2015

VITÓRIA DA MOBILIZAÇÃO: Juliano recua e abre diálogo com a Corsan

A mobilização da sociedade contra a intenção do prefeito Juliano da Silva (PMDB) de municipalizar o serviço de água e esgoto do município, atitude que abriria a possibilidade de privatização do serviço fez com que o mandatário recuasse e retomasse o diálogo com a CORSAN, empresa pública responsável pelo serviço.


Desde que a intenção do prefeito foi manifestada através de entrevistas e relesses para a imprensa, a sociedade tem repudiado a atitude do mandatário que sem nenhum debate e nenhum dado concreto apresentado tentou prejudicar um serviço tão essencial para a população.

Foram centenas de manifestações indignadas nas redes sociais e diversas atividades e debates que envolveram entidades, vereadorxs e trabalhadorxs da Corsan que formaram um Comitê Popular em defesa da Água e contra a Privatização.

Na tarde de hoje, uma audiência pública seria realizada mesmo sem o apoio do Poder Legislativo que chegou a negar aos integrantes da Comissão de Serviços Públicos da casa a cedência do espaço, questionando que no período de recesso não poderia ser realizada uma Audiência Pública proposta pela comissão.

Após a confirmação da abertura do diálogo do prefeito com a nova direção da CORSAN, o Comitê Popular decidiu adiar a audiência pública e aguardar os encaminhamentos das conversas entre a prefeitura e a estatal

MOBILIZAÇÃO IMPÔS DERROTA POLÍTICA EM JULIANO

O prefeito Juliano encontrou no meio do caminho a mobilização forte da sociedade e teve que recuar para não sofrer um desgaste ainda maior. Ele pode até justificar que retomou o diálogo porque o governador José Ivo Sartori (PMDB) vai pagar os atrasados e cumprir o contrato e fazer um grande investimento etc etc... Afinal são chamas da mesma fogueira, Mas na vida real, e fora dos devaneios e alucinações do prefeito, o recuo só teve um motivo. Seria uma derrota feia quando judicialmente ele tivesse que comprovar os seus argumentos e viesse à tona que o contrato renovado em 2010 está sendo cumprido. Juliano recuou porque iria causar um rombo ainda maior pois teria que indenizar a CORSAN e todos os investimentos da estatal através do PAC seriam perdidos. Aliás, Juliano em dois anos de governo já mostrou sua capacidade impressionante de perder recursos já garantidos pelos governos do PT.


Aprenda prefeito, nem sempre tua vaidade é maior que a força da comunidade mobilizada. Estamos de olho...   
Postar um comentário